Novo Ensino Médio o que Muda?

A estrutura do Ensino Médio no Brasil mudou e isso a maioria dos cidadãos já sabem, já que as notícias não param por aí.

Mas, o que mudou e como realmente vai funcionar, você realmente sabe? Então vamos ver abaixo sobre a lei alterada, como vai funcionar o ensino médio e o que muda nos estudos dos brasileiros.

O que é o Novo Ensino Médio?

A reforma do ensino médio traz uma mudança na estrutura do sistema que temos hoje. Segundo o Governo Federal, o objetivo é melhorar a educação que temos atualmente no país. Sua principal mudança é a flexibilidade na grade curricular do aluno.

Novo ensino médio. (Imagem: Divulgação)

Novo ensino médio. (Imagem: Divulgação)

Isso acontece porque agora, algumas disciplinas se tornaram opcionais. Assim, existe a Base Nacional Comum Curricular, que será obrigatória em todas as escolas e outra parte flexível, dando o poder para o aluno optar pelas disciplinas que deseja cursar.

Dessa forma, o Governo procura já encaminhar o aluno para se aprofundar em áreas que ele se identifica e que provavelmente serão as seguidas em suas profissões.

Isso fica explícito em um dos artigos da lei que diz: § 7º Os currículos do ensino médio deverão considerar a formação integral do aluno, de maneira a adotar um trabalho voltado para a construção de seu projeto de vida e para sua formação nos aspectos físicos, cognitivos e socioemocionais.

Como Será o Novo Ensino Médio

A Base Nacional Comum Curricular vai contar com disciplinas que são obrigatórias para todos os alunos do ensino médio, conforme diz a lei no artigo 35: “Art. 35-A. A Base Nacional Comum Curricular definirá direitos e objetivos de aprendizagem do ensino médio, conforme diretrizes do Conselho Nacional de Educação, nas seguintes áreas do conhecimento: I – linguagens e suas tecnologias; II – matemática e suas tecnologias; III – ciências da natureza e suas tecnologias; IV – ciências humanas e sociais aplicadas.

Essa base curricular terá 1800 horas e abrange as 4 áreas de conhecimento e todos os componentes curriculares do ensino médio, conforme diz a lei descrita acima.

As disciplinas de matemática, língua portuguesa e inglesa serão obrigatórias em todo o ensino médio. Além disso, História, Geografia, Biologia, Física, Química e Literatura também fazem parte da Base Nacional Comum Curricular, chamadas de disciplinas tradicionais.

Novo ensino médio. (Imagem: Divulgação)

Novo ensino médio. (Imagem: Divulgação)

Já na parte flexível do currículo, os estudantes deverão escolher entre áreas eletivas ou cursos técnicos que serão organizados por cada estado considerando a base e a demanda dos jovens.

O que Muda no Novo Ensino Médio

O aluno também poderá realizar um curso técnico juntamente com o ensino médio, assim, quando receber o diploma terá um do ensino médio e um certificado do técnico.

Vai funcionar da seguinte forma: o jovem vai optar por uma formação técnica profissional dentro da carga horária do ensino médio regular desde que continue cursando Português e Matemática até o final.

Carga Horária no Novo Ensino Médio

Antes, ela era de 800 horas por ano. Agora, as escolas terão cinco anos para ampliar a carga para 1000 horas anuais, divididas em 200 dias letivos. Depois disso, as escolas passarão aos horários integrais, mudando de maneira progressiva, ficando então com 1400 horas.

O que Muda para os Professores no Novo Ensino Médio

Os chamados profissionais com “notório saber”, são aqueles que são formados, possuem conhecimento mas não tem diploma de licenciatura, mais ou menos como na faculdade.

Por exemplo, um engenheiro poderá dar aula em um curso de Edificações. Mas esses profissionais só poderão lecionar em formação técnica ou profissional mas, poderão fazer complementação pedagógica para dar aulas no ensino médio.

Novo ensino médio. (Imagem: Divulgação)

Novo ensino médio. (Imagem: Divulgação)

Quando Entra em Vigor o Novo Ensino Médio

A lei do novo ensino médio já está válida desde 16 de fevereiro de 2017, mas, todas as escolas precisam da definição da Base Comum Curricular para fazer as próprias adaptações.

Ainda não há uma data definida para implementação do novo sistema, já que depois da definição da BNCC, os estados e municípios precisam fazer as devidas adaptações e definição de normas para implementação. A estimativa que comece, na prática, a partir de 2019.